19.9 C
São Gonçalo
sábado, julho 13, 2024
Foto: Gabriel Ferreira / Prefeitura de Maricá

Com o enredo “Extra, Extra! Os ETs invadiram Maricá, folclore ou lendas urbanas? A arte de Educar Fazendo Arte”, o Grêmio Recreativo Escola de Samba (G.R.E.S) Herdeiros de Maricá vai estrear na passarela do Samba Adélia Breve, no Centro, homenageando a professora da rede municipal Maria Aparecida da Costa. A escola de samba de Cordeirinho será a primeira do Grupo 1 do Carnaval de Maricá a entrar na avenida na terça-feira (13/02). A concentração está marcada para as 19h10 e o desfile está previsto para começar às 20h com término às 20h35.

Ao longo dos 35 minutos, a escola levará para a avenida a história da professora, carinhosamente chamada de Cida, que há 30 anos se destacou ao fazer um concurso de folclore e lendas urbanas entre os alunos do Centro Educacional de Maricá (CEM) Joana Benedicta Rangel, no Centro, onde lecionava no ano de 2009. Na ocasião, os estudantes produziram histórias para chamar atenção das autoridades da época sobre o estado de conservação em que se encontravam as ruas do município. A mais famosa delas, “Os ETs invadiram Maricá”, ganhou notoriedade e foi tema de reportagem produzida por uma equipe de Tv local.

Em uma vasta pesquisa na internet sobre personalidades e curiosidades de Maricá, um dos pré-requisitos do regulamento do carnaval da cidade, o carnavalesco Marcos Calheiros encontrou a reportagem que chamou a atenção de toda a equipe e escolheu a professora como a grande homenageada da escola. “O folclore com mais aceitação na época foi: ‘Os ETs que invadiram Maricá. Resolvemos, então, através desse título, homenageá-la. Escolhemos essa história porque queríamos fugir do convencional com história da Maysa, Visconde de Maricá, entre outras já contadas. Fui pesquisando e achei a Tv que fez uma reportagem em cima do trabalho dela. Consegui encontrá-la, começamos a conversar e ela aceitou ser homenageada”, contou o carnavalesco.

Desfile da Herdeiros de Maricá

Na avenida, a agremiação desfilará com cerca de 250 componentes distribuídos em: comissão de frente, dois carros alegóricos, ala das baianas, destaques, 1º e 2º casal de mestre-sala e porta-bandeira, passistas, além dos integrantes da bateria e da rainha de bateria. Serão ao todo 10 alas com 25 componentes cada, que contarão um pouco do folclore da cidade e mergulharão na história da professora Maria Aparecida da Costa trazendo suas duas paixões: G.R.E.S Unidos da Portela e o amor pelo time Vasco da Gama. Também fazem parte do desfile a homenagem aos seus amigos e uma ala específica com professores que farão um apelo para que os profissionais da categoria sejam mais valorizados e respeitados.

Preparativos para o desfile

Modelista da escola, a costureira Sônia Maria Pereira, de 65 anos, conta que nem o trabalho cansativo de aproximadamente 12 horas por dia tira seu entusiasmo em ajudar a escola a fazer bonito na avenida.

“Na verdade, eu gosto desse movimento. É ótimo para botar a cabeça para funcionar. Eu durmo pensando naquele trabalho que preciso terminar. Está todo mundo abraçando e torcendo muito. O ambiente é muito bom para trabalhar. Fica uma família mesmo. A gente acaba ficando presa, mas não querendo ir embora”, disse a moradora do bairro Méier, no Rio de Janeiro, que está passando uma temporada no barracão para terminar os trabalhos. “Tem até umas amigas lá do Rio que souberam que estou trabalhando na escola e que já se ofereceram para me ajudar no carnaval do ano que vem”, declarou.

O presidente da agremiação, Cláudio Freitas, agradeceu o apoio da Prefeitura e convidou a todos para assistirem ao desfile da Herdeiros de Maricá na 3ª feira de carnaval. “Quero agradecer a Prefeitura de Maricá por acreditar no Carnaval e fortalecer as nossas escolas de samba para que possamos fazer, no dia 13/02, um espetáculo na avenida Adélia Breve. Gostaria de agradecer também todas as pessoas que participam direta e indiretamente da nossa escola de samba com muita garra e determinação. Venham conosco participar dessa linda festa”, convidou o presidente.

História da Herdeiros de Maricá

O G.R.E.S Herdeiros de Maricá começou como um bloco em setembro de 2007, dedicado ao desenvolvimento de um espaço cultural e carnavalesco devido à ausência de eventos específicos em Cordeirinho. Seu nome é em alusão ao Herdeiros de Vila Isabel, uma bateria formada por meninos do G.R.E.S Unidos de Vila Isabel, coordenada pelo mestre Cassiano, que fazia apresentações nos comércios da região quando ele visitava Maricá. O trabalho se desenvolveu e resultou na criação do pequeno bloco com carro alegórico, bateria e muita alegria dos foliões fantasiados que desfilavam pela Avenida Maysa.

Em 2024, o então bloco Herdeiros de Maricá ganhou título de escola de samba e, pela primeira vez, fará parte do desfile oficial da cidade disputando o título com outras sete agremiações: G.R.E.S Acadêmicos do Caxito; G.R.E.S Flor do Imbassaí; G.R.E.S Império da Camisa; G.R.E.S Unidos do Saco das Flores; G.R.E.S Tradição de Maricá; G.R.E.S Inocentes de Maricá.

Ficha técnica:

Samba-enredo: Extra, Extra, Os ETs invadiram Maricá, folclore ou Lendas urbanas? A Arte de educar fazendo arte.

Cores: Amarelo, branco  e azul.

Presidente: Claudio Siqueira de Freitas.

Compositores:  Claudio Emiliano, J.P., Wagner Mariano, J.Vidal, Marquinho França, Pablo Santos e Matheus Gaúcho.

Carnavalesco: Marcos Calheiros

Intérprete: Ruan e Eduardo (Dudu)

Rainha de bateria: Rafaela Santiago de Souto

Mestre de bateria: Mestre Cassiano

Mestre sala e porta bandeira: Wagner e Marluce

Matérias Relacionadas

plugins premium WordPress