23.5 C
São Gonçalo
terça-feira, junho 25, 2024

Prefeito Axel Grael sanciona nova lei urbanística de Niterói

Legislação visa preservar patrimônio ambiental e cultural e promover mobilidade sustentável

Prefeito Axel Grael sanciona nova Lei Urbanística de Niterói
Prefeito Axel Grael sanciona nova Lei Urbanística de Niterói
Objetivo da nova legislação é preservar o patrimônio ambiental e cultural e desenvolver a mobilidade urbana sustentável (Foto: Bruno Eduardo Alves)

O prefeito de Niterói, Axel Grael, sancionou nesta segunda-feira (20) a nova Lei Urbanística da cidade, que trata do uso e ocupação do solo, zoneamento, e normas de licenciamento e fiscalização de obras. A nova legislação, que regulamenta o Plano Diretor de 2019, foi aprovada em duas discussões na Câmara de Vereadores.

A nova lei tem como objetivo simplificar a legislação anterior, preservar o patrimônio cultural e ambiental e desenvolver a mobilidade urbana sustentável. Entre os destaques está o compromisso com a conservação ambiental, com mais da metade da área do município sob proteção, mantendo 95% da cidade preservada ou protegida por novas medidas.

“Estamos sancionando a Lei Urbanística de Niterói com conceitos de sustentabilidade, corrigindo problemas anteriores, especialmente no entorno da Lagoa de Itaipu. A nova lei protege a área com base na Faixa Marginal de Proteção, mantendo critérios razoáveis e fundamentados para construções nas principais vias de transporte”, afirmou o prefeito Axel Grael.



continua depois da publicidade



O Projeto de Lei 221/2023 foi discutido em 21 audiências públicas, sete oficinas participativas e duas consultas públicas, envolvendo cerca de duas mil pessoas em cada evento. A aprovação foi fruto do trabalho conjunto do procurador geral do município, Francisco Soares; do secretário municipal de Urbanismo e Mobilidade, Renato Barandier; e do subsecretário Fabrício Arriaga.

Alterações importantes foram feitas por emendas na segunda votação do projeto. Em Piratininga, a construção foi limitada a quatro andares, permitindo uso misto. Na Avenida Raul de Oliveira Rodrigues, a construção foi reduzida para quatro andares com a criação de uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS). Em outras áreas, como São Francisco, Charitas e Pedreira, também houve reduções de gabarito.

O secretário Renato Barandier destacou a importância da participação popular no processo. “Foi um processo acordado com Judiciário, Legislativo e Executivo, assegurando a sustentabilidade ambiental da cidade e facilitando a legalização de imóveis. A nova lei redistribui a ocupação para eixos de transporte, diminuindo a necessidade de automóveis e promovendo o transporte público.”

A nova legislação institui a cobrança da Outorga Onerosa, com recursos destinados a habitação popular, infraestrutura e ZEIS. Também prevê o uso misto em empreendimentos habitacionais de interesse social e o retrofit desses imóveis. A proposta foi aprovada pelo Conselho Municipal de Política Urbana (Compur) e pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente (Coman), resultando em mais de 2.500 contribuições.

Além disso, a lei cria novas Zonas de Proteção do Ambiente Cultural (ZEPAC) e garante o direito das comunidades pesqueiras de serem consultadas sobre projetos que possam afetar suas atividades.

Matérias Relacionadas

plugins premium WordPress