19.8 C
São Gonçalo
domingo, maio 26, 2024

Ex-ritmista da Viradouro, jovem luta na Justiça para conseguir tratamento de esclerose múltipla que custa R$240 mil pelo SUS

Willian da Silva Alves de Melo sempre teve um estilo de vida muito ativo. Apaixonado pelo samba, se tornou ritmista da escola do coração, a Unidos do Viradouro e, há três anos, no mesmo ano em que se formou no ensino médio, foi a Brasília, para viver a experiência de ser um jovem parlamentar.

A trajetória de luta do rapaz se tornou ainda mais difícil aos 11 anos, quando ele foi diagnosticado com Esclerose Múltipla, doença que, segundo a ABEM, entidade que pesquisa a enfermidade, é rara e não tem cura, mas pode ter suas sequelas amenizadas por um tratamento médico feito com remédios e acompanhado por fisioterapia. A Esclerose compromete o sistema nervoso, prejudica a comunicação entre o cérebro e o corpo e faz com que, aos poucos, a pessoa vá atrofiando os seus movimentos.

Willian sempre mostrou muita garra para superar os desafios da doença e, mesmo com toda a dificuldade, não nunca tirou o sorriso do rosto. O jovem carioca chegou ao Parlamento Jovem após elaborar um Projeto de Lei tratando da inclusão de portadores de Esclerose Múltipla no mercado de trabalho.

Mas desde outubro de 2019, a situação do rapaz piorou muito. O remédio utilizado por William não fazia mais efeito e, impossibilitado de andar, Willian ficou de cama. Diante da situação apresentada, o único medicamento alternativo para o seu tratamento seria o remédio de nome Ocrelizumabe, que custa cerca de R$46 mil cada caixa, contabilizando um custo anual de cerca de R$240 mil. Mesmo aprovado pela Anvisa, o medicamento ainda não é distribuído pelo SUS.

Sem condições de arcar com os custos do tratamento, a família do jovem, que hoje vive em Realengo, na Zona Oeste do Rio, recorreu à Justiça para salvar a vida de William. Mesmo com atestados e laudos médicos, um juíz negou o auxílio ao rapaz, que recorreu a um abaixo-assinado e a uma vaquinha virtual para tentar reverter a decisão e cobrir os custos do medicamento, enquanto o remédio ainda não é disponibilizado pelo Estado. Confira o vídeo feito pela mãe de William:

 

Como ajudar?

A família de William se mobilizou e começou a campanha #WilliamdePéNovamente nas redes sociais. Para ajudar o jovem, você pode contribuir com qualquer valor na vaquinha virtual disponível neste link. Caso não tenha condições de contribuir financeiramente, você assinar o abaixo assinado virtual pressionando por uma decisão judicial favorável a rapaz neste link e compartilhar a página do Instagram com amigos e familiares.

Matérias Relacionadas

plugins premium WordPress