23.9 C
São Gonçalo
terça-feira, junho 18, 2024

Família denuncia negligência em hospitais de Niterói após morte de criança

O que era para ser motivo de alegria com a comemoração de 1 ano da pequena Myrella Oliveira Ferreira transformou-se em dor e tristeza.

Uma suposta negligência causou a morte da menina, no último dia 8 deste mês, segundo acusa sua mãe Scarlatt Oliveira Pralon, de 28 anos.

Moradora de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, a menina estava na casa da avó, em Itaipu, Niterói, desde o dia 31 de julho, quando comemorou seu primeiro ano de vida.

“Viemos para cá em dia 31 de julho para fazer a festinha da minha filha. Esse era o motivo de estarmos aqui em Niterói”, conta.

No entanto, o que seria uma visita, acabou numa saga de idas e vindas à Unidade Municipal de Urgência Mário Monteiro, em Piratininga, na Região Oceânica, e ao Hospital Getúlio Vargas Filho, o Getulinho, no Fonseca, como afirma.

“No dia 4 começou meu martírio, levando minha filha no Mário Monteiro várias vezes, sem ninguem fazer nenhum exame, apenas receitando remédios”, revela.

De acordo com a mãe, a menina teve febre e mesmo medicada o sintoma não desapareceu, o que fez com que a menina voltasse inúmeras vezes.

“O médico só passou o raio x e falou que o pulmão dela estava limpo e que o caso da minha filha podia ser uma crise de bronquite. Em seguida, nos liberou, mas como a febre persistiu, voltei na Unidade e a médica falou que o caso dela seria infecção urinária. No entanto, receitou antibiótico e a liberou, mesmo sem a febre ter passado. Eu a levei no Getulinho, onde ela foi medicada e liberada também. Não acreditando naquilo, paguei uma consulta em uma clínica particular no Largo da Batalha e foi quando o médico falou que ela estava com infecção urinária”, disse a mãe da menina, que levou a receita no Getulinho e mesmo assim foi ignorada.

E conta um dos piores momentos passado lá, naquele hospital.

“Lembro que na segunda-feira, dia 7, ela estava com 37.7 graus de febre e a médica aplicou uma injeção dizendo ser dipirona. Ela estava no meu colo, fizeram a aplicação e em seguida, ainda nos meus braços, menos de um minuto depois, ela virou os olhos e apagou”, conta emocionada.

Desde o dia 17 de agosto, a mãe de Myrella relata que sua filha tomava inúmeros remédios, que eram trocados a cada sete dias, e não havia nenhuma comprovação do que ela tinha.

“Disseram que era meningite, depois fizeram uma tomografia e não deu nada. Aí falaram que ela tinha tuberculose no cérebro. Depois de dias fizeram uma segunda tomografia e deu uma lesão no cérebro dela. Chegaram a afirmar que o cérebro dela estava tomado, mas nunca me davam certeza do que ela tinha. Era remédio atrás de remédio. Além disso, o oxímetro queimou os dedinhos dela”, contou a mãe desesperada ao lembrar do ocorrido.

  • A mãe mostra os dedos queimados da filha

Até que no dia 8 de setembro, às 21h20, Myrella faleceu.

Até o momento, Scarlatt ainda não fez um boletim de ocorrência do caso, pois aguarda o prontuário médico de sua filha.

No entanto, ela está reunindo provas do que ocorreu.

A pequena Myrella foi enterrada por seus familiares no último sábado (12), no Cemitério de Itaipu.

Por meio de nota, a Prefeitura Municipal de Niterói informou que “a Secretaria Municipal de Saúde de Niterói (SMS) lamenta o ocorrido e informa que está prestando a assistência necessária para a família. A Secretaria esclarece que o atendimento à paciente, moradora de Nova Iguaçu, seguiu todos protocolos determinados pelo Ministério da Saúde tanto na Unidade de Urgência Mário Monteiro (UMAM) quanto no Hospital Getúlio Vargas Filho (Getulinho).

Matérias Relacionadas

plugins premium WordPress