16 C
São Gonçalo
segunda-feira, junho 1, 2020
- Publicidade -

Viúva da Mega-Sena tem pedido de prisão domiciliar negado pela Justiça

Leia Mais

Polícia identifica mortos em confronto em Niterói. Um deles seria sobrinho do traficante Cadá

Foram identificados como Gabriel, o Biel ou Revoltado da Vital, gerente do tráfico de drogas nos mortos Souza Soares e Cavalão; Bebezão, do Cavalão;...

Cinco mortos em confronto com PMs na Praia de São Francisco, em Niterói

Cincos homens acusados de integrarem o tráfico de drogas do Morro do Preventório, em Charitas, na orla da Zona Sul de Niterói, foram mortos...

O que esperar do esporte de alto rendimento após a pandemia?

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) obrigou a humanidade a parar. A parar, repensar e mudar vários aspectos da vida. Diante de um vírus...

Capitão Nelson: O PM que virou vereador, deputado e agora quer ser prefeito de São Gonçalo

Depois de um ano e dois meses como deputado estadual na Alerj, ocupando a vaga de suplente do titular Marcos Abraão, que estava afastado...

A defesa de Adriana alegou que a progressão de regime e a prisão domiciliar são necessárias diante da pandemia do novo coronavírus, tendo em vista que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recomendou, como providência para evitar a disseminação da doença, a mudança antecipada do regime fechado para o semiaberto, notadamente nos casos de superlotação carcerária.

Reynaldo Soares da Fonseca, em sua decisão, explicou que a concessão de liminar em habeas corpus não tem previsão legal e constitui medida excepcional que visa minorar os efeitos de eventual ilegalidade – o que, segundo ele, não se verificou no caso.

O ministro alegou que, como o pedido de concessão da prisão domiciliar com fundamento na Recomendação 62/2020 do CNJ não foi submetido às instâncias anteriores, o tema não pode ser analisado pelo STJ.

“Tal matéria não foi suscitada nas instâncias ordinárias, mas, tão somente, na peça vestibular da presente ação mandamental. A análise do tema diretamente por esta Superior Corte de Justiça caracterizaria indevida supressão de instância”, declarou.

Após negar a liminar, o relator recomendou que a defesa da sentenciada apresente o pedido de progressão de regime e prisão domiciliar com base na recomendação do CNJ ao juízo da execução penal.

Ele ainda acrescentou que o mérito do pedido ainda será examinado pelo STJ.

“Acrescente-se que a medida antecipatória postulada é de natureza satisfativa, praticamente confundindo-se com o próprio mérito da impetração, o qual deverá ser analisado em momento oportuno, por ocasião do julgamento definitivo do habeas corpus”, concluiu.

Powered by Rock Convert

Notícias Relacionadas

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Araruama suspende cobranças de empréstimos a servidores

A prefeitura de Araruama, sancionou uma lei na última segunda-feira (25), referente aos empréstimos consignados para servidores públicos e municipais, ativos e inativos, aposentados...

Covid-19: Justiça suspende autorização para cultos religiosos no Rio

A 7ª Vara de Fazenda Pública da Justiça do Rio de Janeiro suspendeu a autorização para o funcionamento de templos e a realização de...

Saque aniversário do FGTS poderá ser usado para garantir empréstimos

Em vigor desde abril para parte dos trabalhadores que aderiram à modalidade, o saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) poderá...

Crises de cefaleia podem ser agravadas na quarentena, alerta médica

A cefaleia é considerada a segunda condição médica mais comum da humanidade e atinge, aproximadamente, 15% da população brasileira, ou seja, cerca de 30 milhões de...

Caixa abre mais de 2 mil agências para saque de auxílio emergencial

A Caixa abre hoje (30), de 8h às 12h, 2.213 agências para atendimento aos beneficiários do auxílio emergencial que receberam a primeira parcela até...