17.2 C
São Gonçalo
sábado, agosto 13, 2022

Mestre Naval, um dos representantes da Associação de Capoeira Barravento em São Gonçalo

Leia Mais

A Capoeira é genuinamente brasileira e surgiu como luta a partir do século XVI. Se tornou uma Arte Marcial entre 1864 e 1870, ao ser utilizada na Guerra do Paraguai, quando diversos soldados capoeiristas foram condecorados. No entanto, por divergências políticas entre a Monarquia e a República, em 11 de outubro de 1890 foi regido o Decreto número 847, dos Vadios e Capoeiras, colocando a capoeira como crime no Código Penal da República dos Estados Unidos do Brasil. As penas envolviam chibatadas, prisão e deportação para ilha de Fernando de Noronha.

A partir de 1900, uma parte da sociedade, incluindo muitos militares, tentou desassociar a capoeira como crime e transformar sua visão como desporto. Nos anos seguintes, Mestre Bimba e Pastinha surgem como grandes referências da capoeira no cenário nacional, e a arte ganha espaço dentro das Federações e Confederações de Pugilismo como um Departamento Nacional de Luta Brasileira (Capoeiragem).

Somente em 1972, com a aprovação do Regulamento Técnico da Capoeira, um projeto redigido por Mestre Mendonça como representante do Estado da Guanabara, foi que a capoeira passou a ter livre acesso e a se permitir criar e registrar grupos e associações de capoeira oficialmente, permitindo seu avanço dentre os estados brasileiros e, posteriormente, para outros países mundo a fora.

 

Um dos grandes representantes da arte em São Gonçalo é conhecido como Mestre Naval, que faz parte da Associação de Capoeira Barravento desde 14 de dezembro de 1981, cujo grande mentor e líder foi o Mestre Bogado que, durante 50 anos de sua vida, se dedicou plenamente a capoeira, além de ter sido fundador e presidente da associação.

O sistema de graduação da Associação de Capoeira Barravento segue o padrão do Regulamento Técnico da Capoeira aprovado pelo Conselho Nacional de Desportos em 26 de dezembro de 1972.
As cores da graduação foram baseadas nas cores da Bandeira Nacional Brasileira, estabelecida de forma lógica, conforme a maior concentração ou quantidade dessa cor na bandeira, sendo a primeira cor verde, depois o amarelo e o azul. A cor branca só entra no nível de mestre. A partir do 1º Grau de Mestre, a troca de graduação só ocorre a cada 10 anos.

“Tive a honra de receber meu Cordel Branco e Azul – Mestre de 3º Grau, em outubro de 2013, quando a Associação de Capoeira Barravento completou seus 40 anos de fundação”, conta Mestre Naval.

A Barravento participou ativamente de todos os campeonatos brasileiros de capoeira. Como atleta, representando a associação, Mestre Naval obteve grandes resultados em campeonatos: Vice-campeão do 1º Campeonato Estadual de Capoeira (FCERJ), Campeão de Duplas por Equipe no III Berimbau de Prata, Bicampeão por Conjunto no Festival Internum de Capoeira – SESC Niterói, Vice-campeão de Solo Adulto da Taça Capoeira Francisco Abreu – SESC Niterói, Vice-campeão por Conjunto no Festival Internum de Capoeira – SESC Niterói.

Mestre Naval difundiu a arte Brasileira ensinando a capoeira em áreas de São Gonçalo, como a Igreja Matriz de São Gonçalo, e em Niterói, em locais como o Clube Italiano, em Ipiratininga, e o Clube do Banco do Brasil, em São Francisco. A Associação de Capoeira Barravento tem Mestres, Contramestre e Professores dando aulas em academias, colégios e projetos sociais. Com o isolamento social, devido a pandemia, essas aulas tiveram de ser suspensas como forma preventiva para evitar a propagação da Covid-19.

“A capoeira é uma atividade física de aglomeração e o isolamento impacta bastante em nossa rotina diária. Mas, como muitas outras atividades, sejam elas esportivas ou não, tivemos de nos reinventar e passar a utilizar a tecnologia para mantermos esse contato entre os praticantes, com aulas online, lives ou troca de mensagens para mantermos o interesse dos alunos e ajudar cada um a praticar os exercícios dentro de suas próprias casas. O bacana da capoeira é que ela envolve várias artes em uma só, então há momento para ouvir, cantar, tocar, se exercitar e estudar a nossa história cultural que é tão rica e importante. Estamos todos com saudades daquele calor humano e de fazer uma grande festa com uma boa roda de capoeira com nossos alunos e amigos.”, conclui Mestre Naval.

Notícias Relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias