32.4 C
São Gonçalo
quarta-feira, janeiro 26, 2022

Atletas de Maricá que praticam tiro com arco miram vaga em Paris como alvo

Leia Mais

Os atletas de tiro com arco Bernardo Oliveira, Marcelo Costa Filho, Marcus Almeida, Ana Luísa Caetano e Sara Nikitin, todos de Maricá, irão disputar a vaga por equipe em Paris, na França, entre os dias 22 e 27 de junho, visando os Jogos Olímpicos de Tóquio, a ser realizado de 23 de julho a 08 de agosto de 2021.

Com dois moradores da cidade maricaense com vaga garantida, a seletiva foi realizada nesta sexta-feira (30) no centro de treinamento da Confederação Brasileira da modalidade (Cbtarco), que fica no bairro de Itapeba.

O presidente da entidade, João Cruz, acompanhou as séries dos atletas no local, que teve sua cessão renovada em março pelo prefeito Fabiano Horta, pelo período de 15 anos. A área com 27 mil metros quadrados abriga estandes de tiro, salas de musculação e recreação, alojamentos e administração.

“Foi muito importante essa decisão de manter a cessão desta área para nós, porque garante o funcionamento na cidade das escolinhas que vêm formando futuros atletas e formaram os que temos hoje. Além disso, o governo nos apoia também mantendo os protocolos de segurança durante a pandemia e garantindo a saúde dos atletas”, celebrou João, antecipando que ambas as partes já articulam um programa visando as olimpíadas de 2024, também em Paris.

O secretário de Esporte e Lazer de Maricá, Carlos Vagner Frauches, revelou que atualmente mais de 40 alunos foram captados nas redes pública e privada da cidade e integram essas escolas, que treinam na sede da entidade.

“Hoje Maricá virou uma referência nacional do tiro com arco e nós procuramos oferecer todo o incentivo possível, seja com estrutura ou trazendo competições de nível internacional para a cidade”, afirmou.

Este mesmo apoio que começou há mais de dez anos, colhe seus frutos olímpicos pela segunda vez consecutiva.

Em Tóquio, o maior feito será a presença de Anne Marcelle Gomes. Aos 27 anos, ela é a primeira mulher e primeira negra brasileira a conseguir índice para os jogos – ela participou como convidada em 2016, no Rio. Anne e Marcus Almeida, outro atleta individual com presença garantida na luta pelo ouro, treinavam ao lado da disputa para a seletiva. Ambos vão fazer a dupla mista na competição.

“A sensação é de muito orgulho. O Brasil cresceu muito nos últimos anos e creio que vamos ter condições de competir com os asiáticos, que são os melhores”, ressaltou a atleta.

Além de dividir a rotina de treinos pela manhã com o trabalho na casa onde mora com a família, no Parque Nanci, Anne elogiou a prefeitura.

“Nós vendemos comida lá e sempre ajudo eles durante à noite, dá para conciliar. O apoio da prefeitura também é importante porque garante um espaço bom como esse para treinar”, observou Anne.

Para Marcus Almeida, apontado como um dos oito melhores arqueiros do mundo em competições recentes e que também esteve na Rio 2016, a disponibilidade do espaço é uma das grandes vantagens. “Usamos sempre que queremos, até aos domingos. Isso ajudou muito a nos aprimorar para as competições e, com isso, atingir mais experiência para essas olimpíadas”, disse.

Notícias Relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias